Procurar

For-j Treinamentos

Treinamentos e consultorias em engenharia de software.

Mage Report – Identificando falhas de segurança em sua loja virtual

Guilherme Costa

2016-02-11_1642

O Mage Report é um site/app muito útil para detectar vulnerabilidades em sua loja virtual Magento, é bem simples de usar, basta acessar o site e digitar a URL de sua loja.

O site apontará o nível de risco de vulnerabilidade que tua loja apresenta, e quais são esses riscos.

Veja o exemplo abaixo :

https://www.magereport.com/scan/?s=https://www.cafefacil.com.br/

Vale a pena sempre conferir os riscos que sua loja apresenta e corrigi-los o quanto antes possível.


Não vos deixeis levar em redor por doutrinas várias e estranhas, porque bom é que o coração se fortifique com graça, e não com alimentos que de nada aproveitaram aos que a eles se entregaram.
Hebreus 13:9

Ver o post original

Pacote: Desenvolvedor Java REST e Android

Para-tornar-um-treinamento-eficaz

Em 2016 continuamos com a alta de soluções mobile nativa integradas com modelo de web services REST. O que isso quer dizer? Significa que as empresas corporativas estão se movendo para adquirir conhecimento para criar soluções que rodem em dispositivos mobiles e que façam integração com soluções já existentes via web services REST. Os pioneiros desse modelo de produto foram os grandes players como Facebook, Google, Linked-in e etc. Depois deles, vimos a adoção por parte dos e-banks e e-commerces. E hoje, praticamente todo o segmento corporativo tem se beneficiado desse tipo de solução para potencializar seus serviços como por exemplo: farmácias, restaurantes, lanchonetes, laboratórios, e por aí vai.

Respondendo a essa crescente demanda de profissionais qualificados, a FOR-J disponibiliza uma combo de cursos que combinados entre si fornecem o escopo mínimo de formação para que um profissional possa começar a desenvolver soluções web services REST com Java, aplicativos mobile nativos com Android, usando REST para a integração entre eles. Segue os cursos:

  1. JSE M1 Java Básico: Curso de introdutório da plataforma, linguagem java e OOP, 24 horas, R$ 450,00. Veja a grade completa.
  2. JSE M1 Java Avançado: Curso avançado de linguagem Java e OOP, 24 horas, R$ 450,00. Veja a grade completa.
  3. JEE M1 Java Web Básico: Curso de introdutório de soluções web, 20 horas, R$ 450,00. Veja a grade completa.
  4. JEE M3 Java Web Services: Curso de web services REST e SOAP. 20 horas, R$ 400,00. Veja a grade completa.
  5. MOB M2 Android Básico: Curso de introdutório da plataforma android e api de serviços, 24 horas, R$ 450,00. Veja a grade completa.
  6. MOB M3 Android Avançado: Curso de tópicos avançados em android e api de serviços, 24 horas, R$ 450,00. Veja a grade completa.

Com o total de 6 cursos, 136 horas e um investimento de R$ 2.650,00, você ainda poderá aproveitar o “face-to-face” com nossos instrutores, profissionais oficialmente certificados e com décadas em experiências reais em todas essas tecnologias.

Formas de Pagamentos:

  • A vista em dinheiro – 10% de desconto.
  • Cartão de débito – 5 % de desconto.
  • Cartão de crédito parcelado em até 6 x – sem desconto.

Aceitamos as seguintes bandeiras: Visa, Visa Eletron, MasterCard, Maestro, Cabal e BanriCompras.

Estamos à disposição para quaisquer dúvidas:

  • E-mail – fernandofranzini[arroba]gmail.com ou Hangouts
  • Fone – (43) 8407-4007 ou Whatsapp

Disparando seu próprio evento com jQuery

jquery_logo
Nesse post vou compartilhar algo que aprendi recentemente no jQuery, criar o seu próprio evento. Vamos supor que você queira disparar um evento chamado enterKey toda vez que o seu usuário apertar a tecla enter em um determinado campo.

$('.seuCampo').bind("enterKey",function(e){
   //trate o evento aqui
});
$('.seuCampo').keyup(function(e){
    if(e.keyCode == 13)
    {
        $(this).trigger("enterKey");
    }
});

Primeiro tratamos o evento original (keyup) e dentro dele verificamos se a tecla pressionada é o enter (keyCode == 13), caso ok disparamos o evento enterKey através do método trigger do jQuery.

Para “ouvirmos” esse evento basta utilizarmos o método bind junto com um método de callback que será chamado toda vez que o evento acontecer.

Simples, né ?


Encontraram-me no dia da minha calamidade; porém o Senhor se fez o meu amparo.
2 Samuel 22:19

Início de leitura – JSF Eficaz

Guilherme Costa

jsf-eficaz-featured_large

Nesse feriadão comecei a ler o livro do Hébert Coelho em paralelo ao que estou lendo sobre Vaadin 7, com o intuito de aprimorar algumas técnicas no desenvolvimento Java Web com JSF.

É um livro curto, porém com boas dicas que podem evitar problemas futuros caso você saia desenvolvendo sem devidas orientações.

Para quem tem interesse segue o link do livro: https://goo.gl/IAuHiQ


Ao que distribui mais se lhe acrescenta, e ao que retém mais do que é justo, é para a sua perda.
Provérbios 11:24

Ver o post original

JSE M4 – Desenvolvedor Funcional Java 8

java-lambda-expressionObjetivo deste curso é levar o participante a um nível mais avançado na plataforma Java, oferecendo conhecimentos básicos e práticos nas novidades lançadas na versão do Java 8 que mudaram totalmente o paradigma e a forma de pensar na programação. A compreensão dos novos recursos e da filosofia da programação funcional lançada no Java 8 é de fundamental importância para que um desenvolvedor que pretende ampliar o seu leque de conhecimentos para a criação de aplicações mais robustas e bem escritas.

Pré-requisitos

Ter conhecimentos de nível intermediário da linguagem java, oop e api’s do jse ou ter feito o curso JSE M3 – Desenvolvedor Java.

Duração: 14 hs Valor R$ 250,00

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Introdução ao Java 8

– Informações de lançamento
– Novidades jdk 8

Default Method

– O que é ?
– Para que serve ?
– Regras de sintaxe
– Exercícios

Virtual Extension Methods

– O que é ?
– Para que serve ?
– Exercícios
– Pontos de melhorias

Herança Multipla

– O que é ?
– Para que serve ?
– Regras de sintaxe
– Exercícios

Interface Static Method

– O que é ?
– Para que serve ?
– Regras de sintaxe
– Exercícios
– Pontos de melhorias

Interfaces Funcionais

– O que é ?
– Para que serve ?
– Regras de sintaxe
– Exercícios
– Interfaces funcionais JDK

Programação Funcional

– O que é ?
– Para que serve ?
– Pontos de melhorias
– Paradigma de programação imperativo
– Exercícios
– Paradigma de programação declarativo
– Exercícios
– Comparação entre paradigma funcional versus imperativo
– Java 8 é 100% funcional ?

Introdução ao Lambda: Padrão de Projeto Strategy

– O que é ?
– Para que serve ?
– Benefícios
– Exercícios

Lambda

– O que é ?
– Para que serve ?
– Regras de sintaxe: em-linha
– Exercícios
– Regras de sintaxe: em-bloco
– Exercícios
– Regras de sintaxe: em-bloco tipada.
– Exercícios
– Referências funcionais
– Exercícios
– Loop Funcional forEach: List, Set e Map
– Exercícios

Method References

– O que é ?
– Para que serve ?
– Regras de sintaxe
– Exercícios

Referências Opcionais

– O velho e bom conhecido NullPointerExcetion
– O que é ?
– Para que serve ?
– Métodos básicos da java.util.Optional
– Exercícios

Stream API

– O que é ?
– Para que serve ?
– O que é coletagem ? Para que serve ? Exercícios
– O que é ordenação ? Para que serve ? Exercícios
– O que é mapeamento? Para que serve ? Exercícios
– O que é filtragem ? Para que serve ? Exercícios
– O que é procura ? Para que serve ? Exercícios
– O que é redução ? Para que serve ? Exercícios
– O que é paralelização ? Para que serve ? Exercícios
– Dicas finais de programação funcional versus OOP

Date API

– O que é ?
– Para que serve ?
– O que é LocalTime ? Para que serve ? Exercícios
– O que é LocalDate ? Para que serve ? Exercícios
– O que é LocalDateTime ? Para que serve ? Exercícios
– Exercícios com formatações e comparações

Metaspace

– O que é ?
– Para que serve ?

Referências Bibliográficas

– Indicação de livros

EJB + Groovy = Feijões Mágicos

Fernando Franzini Blog

51015-dd0bc957c5fe42809ec2b9ea3450e031Os conhecidos feijões java chamados de EJB são por si próprio capacitados com muitos poderes. O que aconteceria se, alem disso eles fossem objetos Groovy? Acredito que virariam feijões mágicos kkkk !!!! Como fazer? Segue as dicas:

Ferramentas

Use as seguintes ferramentas:

  • Apache TomEE is a JavaEE 6 application server
  • Eclipse Java EE IDE for Web Developers, versão Luna Release (4.4.0)
  • Groovy-Eclipse plugin
  • Maven

Projeto

Segue os passos resumido do projeto:

  1. Configure o TomEE no eclipse como Tomcat 7.
  2. Crie um projeto web maven: New project -> Maven Project.
  3. Adicione groovy no projeto: botão direto no projeto -> configure -> Convert to groovy project.
  4. Configure o pom para baixar as dependências básicas: junit e groovy.
  5. Crie o EJB com groovy+ teste no junit e rode usando servlet simples.

Fontes

Segue os prints:

pom

ejb

tdd

Servlet

Com a mistura do JEE7 + Groovy um novo mundo de opções se abre. Para os interessados no projeto…

Ver o post original 31 mais palavras

INTRODUÇÃO JASPERSOFT 6.2

Edson Bernardo

O que há de novo

Jaspersoft 6.2 esta cheio de melhorias que ajudam os usuários a obter o acesso às informações que eles querem e TI e desenvolvedores para diminuir sua carga de trabalho. Enquanto a idéia por trás de autoatendimento (self-service) é nada de novo, a abordagem é única e pode ser bem sucedida onde outros esforços falharam. Reconhecemos a complexidade envolvida na entrega de self-service, e Jaspersoft 6.2 dá a TI e usuários finais todas as ferramentas de que necessitam.

Next-Generation recursos de autoatendimento (self-service)

Jaspersoft 6.2 permite que um novo fluxo de trabalho que dá aos usuários a capacidade de autoserviço simples que eles querem, permitindo que os desenvolvedores para concluir pedidos complexos sem ter que começar de novo, tudo em uma experiência de um navegador moderno.

O resultado: Capacidade para usuários finais e as ferramentas certas para TI e desenvolvedores para cumprir qualquer pedido, não importando…

Ver o post original 81 mais palavras

XDebug – Debugger e profiler para PHP

Guilherme Costa


Xdebug
 é uma extensão para o PHP que cujo o objetivo é ajudar o desenvolvedor no processo de debugar suas aplicações. Ela oferece os seguintes recursos.

  • Stack trace nos erros.
  • Log de chamada de funções.
  • Mostra recursos tais como melhoria na saída da função (output) var_dump(). (Por padrão o XDebug limita a saída (output) em 3 níveis de recursão. Porém, você pode alterar isso em seu arquivo xdebug.ini editando a diretiva xdebug.var_display_max_depth para o valor que você deseja.

Xdebug é totalmente configurável e adaptável para várias situações. Por exemplo, o stack trace (algo que é muito útil para monitorar o que sua aplicação está fazendo e quando ela está fazendo) pode ser configurado para 4 níveis de detalhes diferentes. Isso significa que você pode ajustar a sensibilidade da saída (output) , ajudando você a obter informações granulares sobre determinada atividade em sua aplicação.

De uma olha no Guia de Instalação do XDebug

Ver o post original 42 mais palavras

Refatoração – Aperfeiçoamento e Projeto

Fernando Franzini Blog

cover_82c22744-4cfe-4fcb-a918-535ed9d92441O que ha de errado em um código simples feito de forma rápida e imperfeita? Aparentemente nada, desde que ele funcione! Seria um julgamento meramente estético? O usuário final e o compilador não se importam se o código é ou não elegante.

Mas quando alteramos uma solução, há um humano envolvido e humanos se importam. Uma solução mal projetada é difícil de ser alterada.

Se for difícil descobrir aonde e como alterar, há uma grande chance desse humano cometer um erro e introduzir falhas, principalmente se caso o pedaço de código esteja inserido dentro de uma solução complexa.

Refatoração é o processo de alteração de uma solução de modo que o comportamento externo do código não mude, mas que sua estrutura interna seja melhorada. É uma maneira disciplinada e sistemática de aperfeiçoar o código que minimiza a chance de introdução de falhas.

Sem refatoração, o projeto termina por se deteriorar…

Ver o post original 132 mais palavras

Catálogo de Refatoração: Organizando Dados #1

Fernando Franzini Blog

imagesUm dos conceitos mais importantes da OOP é o encapsulamento. Quanto mais encapsulado for, mas flexível e fácil será a manutenção. Segue as estratégias de refatorações para esse contexto:

Auto-Encapsular Campo: use quando encontrar uma classe que acesse um atributo diretamente dentro da própria classe, mas que está se tornando um acoplamento inadequado. Crie os get e set e use como forma de acesso para o atributo.

Substituir Atributo por Objeto: use quando encontrar uma classe que possua um dado que precisa de comportamento ou dados adicionais. Transforme o dado em um objeto.

Para todas as informações, veja o post inicial.

“Falando novamente ao povo, Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida”.” João 8:12

Ver o post original

Início de Leitura – Vaadin 7 Cookbook

Guilherme Costa

Essa semana comecei a ler mais um livro sobre Vaadin 7, dando sequencia a minha trilha de aprendizado sobre este framework. Como o primeiro livro aborda mais conceito de componentes, adquiri esse livro para complementar meu conhecimento com conceitos de backend, data models e afins, ao fim da leitura desse livro pretendo rodar um projeto de CRUD integrado com o JPA, colocando tudo que aprendi em prática.

Ao término da leitura deste livro, volto ao blog para postar o feedback.


Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens,
Colossenses 3:23

Ver o post original

Feedback Leitura – Vaadin 7 UI Design By Example

Guilherme Costa

Nas últimas semanas estive lendo o livro Vaadin 7 UI Design By Example para aprender um pouco sobre o framework de interface que traz um feeling de aplicação desktop dentro da Web.

Terminei o livro hoje, porém desde o primeiro dia de leitura foi puro aprendizado, o Alejandro Duarte deu um show nesse livro, eu não tinha conhecimento nenhum sobre a plataforma e aprendi praticamente tudo sobre como montar interfaces usando esse framework. É um livro super didático com muitos exemplos, caso você tenha interesse em desenvolver aplicações com cara de Desktop na Web e de uma maneira bem fácil, vale a pena ler esse livro.


E disse o Senhor: Conforme à tua palavra lhe perdoei.
Números 14:20

Ver o post original

Desenvolvedor Java REST e Android

Fernando Franzini Blog

Para-tornar-um-treinamento-eficaz

Em 2016 continuamos com a alta de soluções mobile nativa integradas com modelo de web services REST. O que isso quer dizer? Significa que as empresas corporativas estão se
movendo para adquirir conhecimento para criar soluções que rodem em dispositivos mobiles e que façam integração com soluções já existentes via web services REST. Os pioneiros desse modelo de produto foram os grandes players como Facebook, Google, Linked-in e etc. Depois deles, vimos a adoção por parte dos e-banks e e-commerces. E hoje, praticamente todo o segmento corporativo tem se beneficiado desse tipo de solução para potencializar seus serviços como por exemplo: farmácias, restaurantes, lanchonetes, laboratórios, e por aí vai.

Respondendo a essa crescente demanda de profissionais qualificados, a FOR-J disponibiliza uma combo de cursos que combinados entre si fornecem o escopo mínimo de formação para que um profissional possa começar a desenvolver soluções web services REST com Java, aplicativos mobile nativos com Android, usando REST para…

Ver o post original 260 mais palavras

AQT M1 – Introdução a Arquitetura de Software – Atualizado 2016

Fernando Franzini Blog

arquiteto2Objetivo desse curso é oferecer aos participantes conhecimentos teórico e práticos básicos relacionado a introdução a arquitetura de software, que promova flexibilidade, reutilização e sustentabilidade ao projeto. O curso aborda tópicos fundamentais de arquitetura de software e implementa um estudo de caso 100% prático em Java aplicando e provando os conceitos ministrados.

Pré-requisitos

Tem feito o curso JSE M2 – Programador Avançado ou possuir sólidos conhecimentos relacionados ao conteúdo deles.

Duração: 10 hs
Valor R$ 180,00

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Introdução a Arquitetura de Software

  • Conceitualização.
  • Separação de preocupações [Separation of Concerns – SOC].
  • Responsabilidade Única.
  • Coesão e Acoplamento.
  • Divisão em camadas, seus benefícios e desvantagens.
  • Programação por contrato [Design by Contract – DbC].
  • Isolamento de camadas por Exceções.

Estudo de Caso

  • Implementação de um estudo de caso completo aplicando e fazendo a prova na prática de todos os conceitos ministrados no curso.

“Aquele que é a Palavra tornou-se carne e viveu entre nós. Vimos…

Ver o post original 18 mais palavras

Desenvolvimento de Software Futurologia

Fernando Franzini Blog

adivinhoVocê conhece a técnica de desenvolvimento de software chamada de “Futurologia”?

É uma prática de muitos gestores, analistas e principalmente desenvolvedores de software que nem sabendo o que o cliente precisa hoje, eles inventam e tentam desenvolver soluções, designs, tabelas de banco de dados e etc para problemas futuros, que eles “acham” ou que “estão prevendo” que vão acontecer.

Essa prática é conhecida como “especulação”, e é largamente provada estatisticamente nos últimos 30 anos que 99% dos casos nunca se concretizam e os projetos acabaram se prejudicando, o cliente pagando muito caro, por uma coisa que ele não pediu, não precisava, não vai usar, esperando mais tempo para receber, para não resolver seu problema real e ainda perder seu investimento.

Você gostaria de estudar e aprender a como desenvolver um software sem essa síndrome? Venha fazer nosso curso de eXtreme Programming e descubra como não ser mais uma vítima indefesa dessa…

Ver o post original 28 mais palavras

Blog no WordPress.com. | O tema Baskerville.

Acima ↑

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.